21 de setembro de 2018 - 11:04

Saúde

04/01/2018 10:19

Unidades de Saúde de Cuiabá intensificam ações de combate e prevenção à hanseníase

Os tratamentos e medicamentos são ofertados gratuitamente pelas 92 Unidades Básicas de Saúde da Capital

OZIANE RODRIGUES 

Neste início de ano, em alusão ao Janeiro Roxo, mês internacional de luta contra a doença, que trás o tema 'Todos contra a Hanseníase', a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá dará sequência às ações de combate e prevenção realizadas durante todo o primeiro ano de gestão do Prefeito Emanuel Pinheiro. O objetivo é conscientizar a população que embora seja uma doença grave, a hanseníase tem cura e o tratamento, bem como os medicamentos, são ofertados pelas 92 Unidades Básicas de Saúde de Cuiabá gratuitamente.

Há quase 30 anos Mato Grosso aparece no ranking nacional entre os estados com maior incidência de hanseníase. Cuiabá, pela expressiva densidade populacional, está entre os 20 municípios brasileiros com maiores índices. A cada 12 meses de 250 a 300 pessoas são diagnosticadas com a doença.

Para a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), os números podem ser ainda maiores, dado ao fato de que muitas pessoas deixam de procurar as unidades de saúde para o diagnóstico e o tratamento da doença que dura de seis meses a um ano.  Esse fator, além de facilitar a proliferação da doença, contribui para o avanço dessa epidemia milenar em todo o país.

De acordo com a Responsável Técnica (RT) do Programa Municipal de Controle da Hanseníase, Darlen da Silva Souza as ações serão concentradas nas buscas ativas, visando principalmente avaliar os profissionais que participaram da semana nacional "Brasil livre da Hanseníase”, ocorrida em outubro de 2017.

“Este mês, estaremos intensificando a mobilização das equipes de Saúde da Família que irão trabalhar fortemente no sentido de reforçar a importância do tratamento. Além da busca ativa nas comunidades, avaliaremos na prática os profissionais que participaram intensamente das mais de 10 atuações da SMS sobre a temática em 2017, principalmente os profissionais da saúde de todas as regionais que aprenderam por cinco dias abordagens inovadoras para intensificar os esforços para um ‘Brasil livre da Hanseníase’. Queremos saber se de fato os ensinamentos estão sendo aplicados na prática”, disse a RT.

A médica do Programa de Saúde da Família (PSF) do Distrito de Nossa Senhora da Guia, Andréia Tamborelli Teixeira explica que a mobilização da SMS favorecerá o diagnóstico precoce, fundamental para o controle e cura da doença.

“Cuiabá vem desenvolvendo e ofertando ações como capacitações e outros mecanismos que contribuem para a descoberta precoce dessa doença que é transmitida pela Mycobacterium leprae, através das vias aéreas superiores de uma pessoa doente e sem tratamento para outra. As consequências do contágio são danos causados nos nervos periféricos, o que origina desde feridas, perda de sensibilidade no local das mesmas, incapacidades e até mesmo deformidades físicas. Por isso, é preciso estar atento aos sintomas como dores, câimbras, formigamentos, nódulos, manchas esbranquiçadas, acastanhadas e avermelhadas, pois podem ser indícios de hanseníase”, alertou ela.

A médica lembra ainda que ao se deparar com esses sinais a pessoa dever procurar uma unidade de saúde. “A hanseníase tem cura e o tratamento é gratuito pelo SUS (Sistema Único de Saúde)”, finalizou.


Telefone para contato

(65) 3358-5258

© copyright 2018 Todos os direitos reservados.