18 de janeiro de 2022 - 14:30

Polícia

28/10/2021 11:33 Folhamax

Delator da Ararath é alvo de operação que apura propina para vacina

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (28) uma operação para buscar documentos apresentados pela empresa Precisa Medicamentos para o Ministério da Saúde no processo da compra da vacina Covaxin. A operação desta quinta tem 11 mandados de busca e apreensão para serem cumpridos nas cidades de Brasília, São Paulo e Campinas.

 

A Precisa foi alvo da CPI da Covid, por ter intermediado a aquisição de 20 milhões de doses da Covaxin com o Ministério da Saúde, em contrato de R$ 1,6 bilhão com suspeita de pedido de propina, entre outras denúncias de irregularidades.

Entre os alvos, está o empresário Marcos Tolentino, conhecido em Mato Grosso por ser um dos delatores da Operação Ararath. Tolentino é investigado no esquema da Covaxin por ser um "sócio oculto" da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a compra da vacina para o Ministério da Saúde.

A denúncia é de que a aquisição ocorreria com a promessa de pagamento de propina. Porém, com a publicidade da denúncia, a compra foi suspensa pelo Ministério da Saúde.

O empresário chegou a prestar depoimento na CPI da Covid no Senado Federal. Porém, com habeas corpus concedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal), pouco contribuiu.

Participam 50 agentes da Polícia Federal e 8 servidores da Controladoria-Geral da União. A operação foi autorizada pela 12ª Vara Criminal do Distrito Federal.

Em nota, a defesa da Precisa disse que a empresa está colaborando com as investigações, já apresentou todos os documentos pedidos e vai comprovar "a lisura de todas as ações" (veja a íntegra no fim desta reportagem).

Entre as pessoas alvos dos mandados estão:

Francisco Maximiano: dono da Precisa

Emanuela Medrades: diretora da Precisa

Marcos Tolentino: advogado, suspeito pela CPI de ser sócio oculto da Precisa

Entre as empresas alvos estão:

Precisa Medicamentos

FIB Bank: instituição que, apesar do nome, não é banco. Emitiu a carta fiança que seria usada pela Precisa na compra da Covaxin

Documentos falsos

Em nota, a CGU explicou que as investigações sobre a Covaxin começaram a partir de denúncias de irregularidades publicadas na imprensa.

A CGU informou ainda que, nas apurações, foi descoberto que a Precisa apresentou documentos falsos ao Ministério da Saúde e à própria CGU.

Também foi constatada irregularidade em um cara fiança apresentada pela Precisa. A empresa que emitiu o documento não tem autorização do Banco Central para esse tipo de atividade.

A CGU viu ainda indícios de fraudes em assinaturas e documentos da Precisa.

Nos cálculos da CGU, as cartas de fiança irregulares apresentar para a Saúde e outros órgãos públicos podem chegar a mais de R$ 500 milhões.

Quem é a Precisa Medicamentos?

A Precisa se tornou conhecida no país após as denúncias de irregularidades do contrato da Covaxin que chegaram à CPI da Covid.

O papel da empresa na negociação era fazer a intermediação entre o Ministério da Saúde (comprador) e o laboratório indiano Bharat Biotech (produtor da vacina).

O contrato previa a entrega de 20 milhões de doses, a um preço de R$ 1,6 bilhão. Seria o valor mais caro que o governo brasileiro pagaria numa vacina contra a Covid.

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) relata que ele e o irmão, Luis Ricardo, servidor do Ministério da Saúde, foram ao Palácio da Alvorada, em março deste ano, relatar ao presidente Jair Bolsonaro irregularidades no contrato.

Segundo contou Miranda à CPI, ao ouvir o relato sobre a Covaxin e a Precisa, Bolsonaro disse que "isso era coisa" de Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara.

À CPI, Barros disse que não tem ligação com a Precisa e não se envolveu com a compra da Covaxin. A Precisa negou irregularidades.

Após as denúncias, o contrato de compra da Covaxin foi cancelado.

Um inquérito, aberto com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), investiga Bolsonaro pelo crime de prevaricação (se ele deixou de informar possíveis irregularidades aos órgãos competentes).

Nota da Precisa

Veja a íntegra da manifestação da Precisa Medicamentos:

A Precisa tem colaborado com as autoridades e com os órgãos de fiscalização e controle, apresentando todos os documentos e prestando todos os esclarecimentos. Toda a documentação referente à negociação com o Ministério da Saúde já foi disponibilizada a todos os órgãos competentes, quer por iniciativa da própria Precisa, quando solicitada, quer por outras medidas de busca e apreensão que já foram anteriormente determinadas, o que demonstra que a operação de hoje era simplesmente desnecessária. A Precisa continua à disposição da Justiça e seguirá prestando todos os esclarecimentos necessários, com o firme propósito de provar a lisura de todas as sua ações.


Telefone para contato

(65) 3358-5258

© copyright 2018 Todos os direitos reservados.